De 26 a 31 de dezembro 2015 - Maria Rainha de todas a criação

Maria, Mãe que cuidou de Jesus, tu cuidas também, com uma afeição materna, todo o nosso mundo ferido. Assim como teu coração trespassado chorou a morte de Jesus, assim agora tu choras os sofrimentos dos pobres crucificados e de todas as criaturas deste mundo devastadas pelo poder humano. Agora que estás completamente transfigurada, vives com Jesus a fim de intercederes por nós. Tu és a Mãe e a Rainha de todas a criação. Atingiste a plenitude da beleza no teu corpo glorificado, com o teu Filho Jesus, e toda a criação. Ensina-nos a amar a vida inteira a partir de Cristo e a olhar para este mundo com olhos maravilhados para proclamar contigo a grandeza de Deus no universo e nas mais ínfimas das suas criaturas. Que ele nos encha de paz, a fim de que como irmãos e irmãs, possamos ver o Deus vivo em toda a sua criação.

         Ir. Madeleine Mendy

 

De 21 a 25 de dezembro, 2015 - Maria, Mãe do Verbo Incarnado

 Ao chegar a plenitude dos tempos, Deus enviou o seu Filho, nascido de mulher, nascido sujeito à Lei, para resgatar os que se encontravam sob o jugo da Lei e para que recebêssemos a adoção de filhos (Gal. 4.4)

Maria, Mãe do Verbo Incarnado, diante de Deus, permaneces o sinal imutável e inviolável da verdadeira maternidade. O mistério divino da Incarnação foi realizado em ti. Quando disseste o teu Fiat, « faça-se em mim segundo a Tua Palavra», tornaste-te, não só a Mãe de Jesus Cristo mas também a Mãe de toda a humanidade. Pela tua obediência a Deus, o Verbo entrou em ti e tornou-te fértil. Tornaste-te a porta pela qual Deus continua a entrar no mundo, a nascer e a viver entre nós. Ensina-nos esse « sim » que continuará a incarnar Deus no quotidiano das nossas vidas.

Ir. Madeleine Mendy

De 16 a 20 de dezembro 2015 - Maria, brilhante aurora do Mundo Novo

Ao ouvir Isabel a saudação de Maria, o menino saltou-lhe de alegria no seio e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. (Lc. 1, 41)

Ó Maria, brilhante aurora do mundo novo, Mãe dos vivos, nós Te confiamos a causa da vida. Olha, ó Mãe, para o grande número de bebés que não têm o direito de nascer, pobres cuja vida se tornou difícil, homens e mulheres que são vítimas de violência brutal, pessoas idosas e doentes que são mortas pela indiferença ou por uma compaixão enganada. Concede que todos os que creem em Teu Filho possam proclamar o Evangelho da vida com honestidade e amor às pessoas do nosso tempo. Obtém-lhes a graça de aceitar que o Evangelho é um dom sempre novo, a alegria de o celebrar com reconhecimento toda a sua vida e a coragem de testemunhar resolutamente, a fim de construirmos juntos com todas as pessoas de boa vontade, uma civilização de verdade e de amor, para o louvor e a glória de Deus, o Criador e o Amor da vida. (Papa João-Paulo II, a 25 de março, 1995)                                                                                   

  Ir. Madeleine Mendy

 

De 11 a 15 de dezembro 2015 - Maria cumulada de graça

Ao entrar em casa dela, o anjo disse-lhe: ‘Salve, ó cheia de graça, o Senhor está contigo. (Lc. 1, 28)

Ave Maria, cheia de graça! Esta saudação do anjo manifesta a graça que Deus nos dá pelo seu “dom eterno”, Jesus Cristo. Tu estás verdadeiramente cheia de graça, porque em ti, a incarnação do Verbo, a união hipostática do Filho de Deus com a natureza humana, se realizou e cumulou. Maria, Mãe do Filho de Deus, filha preferida do Pai e templo do Espírito Santo, concede-nos a graça de partilhar as bênçãos salvíficas que Deus na sua bondade e na sua misericórdia, nos conferiu em seu Filho, Jesus Cristo.

Ir. Madeleine Mendy

De 6 a 10 de dezembro 2015 - Maria, mulher de fé

Feliz daquela que acreditou que teriam cumprimento as coisas que lhe foram ditas da parte do Senhor (Lc 1, 45).

Maria, pela tua fé juntaste-te ao grupo desses grandes homens de fé de que falam as Escrituras. Assim como a fé de Abraão ilustra o começo do Antigo Testamento, a tua fé na Anunciação abre a Nova Aliança. Como Abraão, a tua fé significa a confiança em Deus e a obediência à sua santa vontade mesmo se isso exigia que caminhasses nas trevas, que largasses e te livrasses de tudo a fim de te entregares à mensagem de amor de Deus. Em ti, vemos personificado “não quiseste sacrifício, nem oblação, mas preparaste-me um corpo. Eis que venho para fazer, ó Deus a tua vontade”. O teu SIM ao conceberes o Filho de Deus no teu seio pelo poder do Espírito Santo fez do teu corpo o lugar da presença de Deus. Ajuda-nos a nos tornarmos lugares onde Deus possa fazer-se constantemente visível à humanidade.

                                                                                         Ir. Madeleine Mendy

 

  • 1
  • 2