24 – 31 de Março

Trazemos, porém, este tesouro, em vasos de argila, para que tão excelso poder se reconheça vir de Deus e não de nós.  2Cor 4, 7

A luz de Deus nos nossos corações traz-nos um tesouro : Jesus Cristo, Deus incarnado ! Somos feitos de argila frágil e sem valor; no entanto em nós se encontra Aquele que é dum valor inestimável: Jesus Cristo.

Reflexão

Somos a obra de Deus, criados em Cristo Jesus para fazer o bem. A iniciativa completa de redenção vem de Deus, da sua graça e orienta-nos para obra de caridade.

Possamos nós, durante este tempo da Quaresma, alimentar a nossa fé escutando atentamente e longamente a Palavra de Deus e recebendo Jesus nos sacramentos. Ao mesmo tempo, que possamos crescer na caridade, no amor para com Deus e para com o próximo pela prática do jejum, da penitência e da esmola.

 

                                                                                                                           Irmã Madeleine Mendy

 

16 – 23 de Março

Vai e desce à casa do oleiro e lá ouvirás a minha palavra. Fui, então, à casa do oleiro e encontrei-o a trabalhar ao torno. Quando o vaso que estava a modelar não lhe saía bem, retomava o barro com as mãos e fazia outro, como bem lhe parecia. Então, foi-me dirigida a palavra do Senhor, dizendo: “Casa de Israel, não poderei fazer de vós o que faz este oleiro? -  oráculo do Senhor, O que é o barro nas suas mãos, assim sois vós nas minhas, casa de Israel , Jer 18, 2-6.

Ser argila nas mãos de Deus, é ser o que  Deus quer de nós, é converter-nos, é mudar e voltar para ele. É colocar de lado o que nos separa d’Ele, é abandonar uma vez por todas os nossos esforços de forjar uma vida para nós-mesmos e enfim, é deixar Deus modelar a nossa existência.

Reflexão

Sou obra das tuas mãos, o resultado genial do teu pensamento e da tua imaginação. Tu desejaste a minha existência. Pensaste em mim, quiseste-me e  criaste-me, pensando sobre cada etapa que me deu vida. Com paciência, tu escolheste a argila, tu a modelaste, poliste, tiraste todas as particulas etranhas que poderiam estragar a beleza do teu projecto para mim.

Modelaste-me com atenção a fim de que eu me torne  uma pessoa segundo o teu coração. Ao contemplar a tua obra viste que era bom. Continuaste o processo, adoçando, aplicando o verniz e finalmente a cozedura que fez de mim uma pessoa. Agradeço-te pela maravilha que sou e pela maravilha de toda a criação.

Toda a nossa vida é uma resposta ao amor de Deus. A nossa resposta é precisamente aceitar, cheios de maravilha e de gratidão, esta iniciativa divina do nosso Deus que nos precede e nos chama à existência. O “sim” da fé marca o princípio duma história radiosa de amizade com o Senhor, que enche e dá sentido a toda a nossa vida. Mas não é suficiente para Deus que aceitemos simplesmente o seu amor gratuito. Ele quer atrair-nos a ele, transformar-nos duma maneira tão profunda que possamos dizer com S. Paulo: “Já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim” Gal 2, 20 (Papa Bento XVI)

Possamos viver desta reflexão nos nossos gestos e na nossa oração ao longo deste tempo da Quaresma.

                                                                                                                                    Irmã Madeleine Mendy

 

9 – 15 de Março de 2014

Tu, Senhor, és o nosso Pai. Nós somos a argila e tu és o oleiro. Todos nós fomos modelados pelas tuas mãos. Is 64, 8

As leituras das celebrações eucarísticas ao longo da Quaresma convidam-nos à conversão. Somos chamados a agarrar esta ocasião para reflectir mais profundamente sobre Deus  de quem somos a obra… Todos nós somos a obra das tuas mãos.

Sabemos bem que não podemos existir sem Deus. Ele ama-nos. Somos a sua obra-prima. Diariamente, transforma-nos até que nos tornemos como o seu Filho Jesus Cristo. A Quaresma é tempo de abertura a Deus que pode oferecer-nos o que nos falta. Que ele nos dê a graça de sairmos de nós-mesmos para ir até ele que é o único que pode encher a profundidade e a largura do nosso desejo de amor, de luz, de verdade e de beleza, esse desejo que nos atrai para o Absoluto.

Reflexão

Como a argila nas mãos do oleiro, assim estou nas tuas mãos, Senhor Deus, Criador do universo. Em cada manhã, tu me refazes e me modelas ainda, tirando todo o supérfluo e as molduras escabrosas que escondem a beleza original, dom que me vem de ti. Ao longo de todos os anos da minha existência, fizeste de mim uma criatura nova, a tua obra-prima. Que eu possa continuar a me deixar modelar pelas tuas acções que me transformam, sabendo que só tu és o Deus da minha vida e que tudo o que fazes é belo.

 

 Irmã Madeleine Mendy

 

1-8 de Março 2014

Então o Senhor Deus formou o homem do pó da terra e insuflou-lhe pelas narinas o sopro da vida e o homem transformou-se num ser vivo. Gn 2, 7

Saímos da glória de Deus, criados à sua imagem e à sua semelhança. Estamos tecidos com um fio real, que vem da natureza do próprio Deus. Somos a criatividade e a imaginação de Deus. Deus não está presente ao nosso lado, faz parte do nosso ser. Somos feitos à imagem e à semelhança de Deus.

O desejo de Deus habita o nosso coração porque fomos criados por ele e para ele. Ao começar este tempo da Quaresma, permaneçamos abertos à necessidade de ser transformados pela sua presença e tornemo-nos cada vez mais conscientes de que a sua imagem de Criador estás gravada no coração do nosso ser

Reflexão


Deus é o mestre-artesão. Na sua mão, o barro ordinário transforma-se em beleza notável. Ele quer que nos tornemos uma peça de barro bela e útil, não para levar água ou alimento, mas para levar a Boa Nova do seu amor, do seu perdão, do seu cuidado por cada um de nós e do seu projecto para a humanidade.

Possa esta reflexão ser um apelo especial para todos os cristãos, durante este tempo da Quaresma e ao longo de todo o ano.

Irmã Madeleine Mendy