28 fevereiro… As caixas

Armazenam-se, reciclam-se, deitam-se fora as caixas velhas, mas se olhamos atentamente, sabemos bem que cada caixa tinha uma história antes de ser armazenada, reciclada ou deitada fora! Cada caixa continha um presente surpresa, seja no Natal, numa festa, ou qualquer outra ocasião especial. Ou simplesmente uma embalagem com alimentação!

 Em cada dia, Deus dá-nos caixas a examinar e a desmanchar! Quando o fazemos, abrimo-nos à surpresa do conteúdo. Consideremos os nossos dias, por mais comuns que sejam, como um convite a voltar à sabedoria do Evangelho, como sendo vivido pelos mais pequeninos. (cf. Mt 11,25).  A alegria que sentimos em cada dia, entre as « pequenas coisas da vida » é uma resposta ao convite amoroso de Deus, nosso Pai : Meu filho, habitua-te a saborear as alegrias quotidianas, (Papa Francisco Evangelii Gaudium, 4) Permaneçamos abertos e acolhamos as surpresas de Deus nas nossas « caixas » sem medo nem resistência (Papa Francisco).

              Ir. Charito

 

25 – 27 fevereiro As refeições

Várias vezes no Evangelho, Jesus deu importância às refeições, particularmente quando comeu com os seus amigos e discípulos. Jesus mostrou-nos que uma refeição não é só uma atividade humana mas também uma ocasião de comunhão, um símbolo de amizade, um tempo para celebrar e louvar o Pai. Em várias culturas, as refeições são « momentos oportunos » e não só uma parte da nossa rotina de cada dia. É natural que algumas de entre nós ver apenas a repetição e a rotina das refeições. Faltam-nos, então a oportunidade de fazer das nossas refeições um momento oportuno de encontro com os outros, um momento de solidariedade.  

 

 A fim que este encontro seja possível, precisamos de chegar às refeições prontos a escutar e a partilhar, a contribuir pela conversa e os risos, a agradecer ao nosso Deus e a abençoar o que vamos comer – e a nos abençoarmos uns aos outros. Esta disposição interior de gratidão cria um ambiente de família, um ambiente em que cada pessoa pode servir e viver esta refeição como uma celebração festiva, que gera comunhão e cria laços.  

 

Em solidariedade, lembramos também aqueles que tem menos que nós ou os que não têm nada para comer. Os que comem a refeição sós, na sua casa ou os que não têm apetite ou não podem comer, devido à doença, os que buscam a sua refeição na rua ou os que têm de trabalhar duramente para colocar alguma coisa sobre a mesa em cada dia e todos os dias.  

 

      Ir. Charito

 

22-24 fevereiro … Plantas de apartamentos

Em várias casas, há plantas que são regadas, alimentadas, cuidadas e protegidas. Essas plantas não dão só vida ao interior da casa, mas são boas para o ambiente. Uma planta bem perto do vosso computador purifica o ar dos raios ultravioletas que este aparelho moderno emite. 

 

A rotina de cuidar destas plantas cria também uma conexão e uma responsabilidade. Tal como nas relações humanas, o compromisso a ter cuidado uns com os outros é a base para construir uma comunidade enraizada no amor de Deus que considera cada um como tendo um valor infinito. Porque, escondido nestes gestos de cuidado, há um amor crescente, um amor verdadeiro um pelo outro. Na história do Principezinho, a raposa revela o seu segredo ao Principezinho : » É o tempo que perdes com a tua rosa que torna a tua rosa tão importante » Continuemos então a ter cuidado uns pelos outros!

 

                                                                                                                              Ir. Charito

 

19 – 21 fevereiro … O despertador!

Levantar-se todas as manhãs pode parecer uma actividade humana bem comum, mas é no entanto essencial! Levantar-se é instintivo, e tomamo-lo com instintivo. Levantamo-nos após uma noite de sono que restaura a nossa energia e nos torna capazes de enfrentar uma nova jornada. Em cada manhã, agradecemos a Deus pela vida que nos chama : renovado, fresco, pronto para uma nova partida. Levantar-se de manhã é um sinal da fidelidade de Deus nas nossas vidas.  


Ao longo deste Ano da Vida Consagrada, somos convidados a ser despertadores de Deus no mundo de hoje, despertadores que sejam capazes de se levantar no mundo e de despertar o amor e a paixão das pessoas para com Deus. Não podemos ser despertadores se nós próprios não esperamos o Senhor desde a aurora e procurá-lo ardentemente ao longo dos diferentes acontecimentos que fazem parte do nosso dia a dia. Estejemos sempre em estado de despertar orante. O Deus que nos desperta cada manhã é o mesmo Deus que nos chama e nos dá a força duma grande fé a fim de despertar o mundo inteiro! (Papa Francisco).

 Ir. Charito

16 – 18 fevereiro … As cinzas

As cinzas? No nosso estilo de vida atual, as cinzas são raramente comuns! Quem querá muito ter cinzas? São lançadas para longe ; seja num cinzeiro, na lareira, num fogareiro de madeira, etc. As cinzas lembram-nos o conto de fadas da « Gata-borralheira »! O seu nome (em francês « Cendrillon » vem de cendre= cinza. Cendrillon significa aquela que se senta e adormece na cinza… e era o que ela fazia para se manter quentinha! 

Mas isto pode também significar alguma coisa na nossa vida espiritual. Sentamo-nos e adormecemos muitas vezes nas cinzas. Temos « cinzas » que Deus pode tirar, ou então ele encontra brasas que pode abrasar. Na quarta-feira de cinzas, as nossas cabeças ficam marcadas com uma cruz de cinzas, como sinal de arrependimento. Esse desejo de arrependimento são tantas brasas que o Senhor incendeia para fazer delas um braseiro, um raio do Fogo Divino que aquece e ilumina a humanidade inteira. Rezemos para que a Luz de Cristo possa guiar-nos, agora que o seguimos neste caminho da Quaresma até à Alegria da Páscoa!

 Ir. Charito

  • 1
  • 2