31 de Janeiro de 2014

Que o Deus da esperança esteja connosco. Há no ser humano uma parte irredutível de utopia que nos leva a sonhar com um mundo melhor. Sabemos que não vivemos no melhor dos mundos. A história está cheia de mortos, de traições, de feridas, de guerras. Arrisquemos o nosso futuro tomando o partido da esperança em Deus, um dia de cada vez. O que temos de viver hoje, Deus dá-nos a graça de o viver, sem que tenhamos de nos inquietar com o dia seguinte. Péguy dizia que a esperança é a fé que Deus mais ama… é o amor em acto. (Texto inspirado em Jacques Gauthier, Dez atitudes interiores: a espiritualidade de Teresa de Lisieux, p. 51-52)

Palavra de Deus: “Conservemo-nosfirmemente apegados à nossa esperança, porque o que fez a promessa é fiel.” Heb 10, 23

Palavra de Maria Rivier: “Vivamos sempre na esperança; sinto cada vez mais coragem e desejo de fazer o bem, creio que é o mesmo para vós. Desejo-vos a maior generosidade e todo o amor de Jesus Cristo. Carta de Maria Rivier, 8 de Janeiro 1824. “Nunca se está mais em segurança do que quando nos apoiamos na cruz; é a nossa única esperança e nosso tesouro para a eternidade.” Carta de Maria Rivier, 20 de Agosto 1835

Sim, hoje, que sejamos cumuladas da bênção da esperança!

 

                                                                              Ir. Claudette Casavant

 

30 de Janeiro de 2014

Que o Deus da justiça esteja connosco. Que ele esteja ao nosso lado quando procuramos uma solução e nos faça erguer a fim de que possamos viver autenticamente. Que sejamos justas connosco-mesmas e para com o nosso próximo, que tenhamos em vista ao mesmo tempo a nossa vontade e a de Deus. (Texto inspirado em Anselm Grun, O livrinho dos anjos, p. 76)

Palavra de Deus: “Aquele que dá a semente ao semeador e o pão para comer, também vos dará a semente em abundancia e multiplicará os frutos da vossa justiça”. 2 Cor 9, 10

Palavra de Maria Rivier: Vivei da fé, minha filha, é a vida do justo, e se vos quiserdes tornar interior, animai todas as vossas acções com um santo motivo. “ Carta de Maria Rivier, 13 Janeiro 1821

Que, hoje, sejamos cumuladas da bênção da justiça!

Ir. Claudette Casavant

 

29 de Janeiro de 2014

Que o Deus da reconciliação esteja connosco. Que ele faça de nós um fermento de reconciliação para o nosso mundo. Se a nossa palavra for conciliada e conciliante, a reconciliação vai acabar por emanar de nós, os outros sentir-se-ão aceites por nós e tornar-nos-emos grãos de mostardeira cheios de esperança e de reconciliação. (Texto inspirado em Anselm Grun, O livrinho dos anjos, p. 80)

Palavra de Deus: “Tudoisto vem de Deus, que por meio de Cristo nos reconciliou Consigo e nos confiou o ministério da reconciliação.” 2 Cor 5, 18

Palavra de Maria Rivier: “Façamos tudo o que depender de nós para realizar a tarefa que Deus nos impôs para nós e para os outros e deixemos o resto à sua misericórdia. Estejamos cheias de confiança e conduzamo-nos sempre pelo espírito de Deus.” Carta de Maria Rivier, 10 de Março 1824

Sim, hoje, que sejamos cumuladas da bênção da reconciliação!

 

Ir. Claudette Casavant

 

28 de Janeiro de 2014

Que o Deus da doçura esteja connosco. Aprendamos com ele esse olhar de doçura que mergulhará as nossas vidas na suave luz do Outono, que oferecerá a tudo o que está em nós, até mesmo os fracassos, uma dignidade e uma beleza próprias. Sim, vamos à escola da doçura a fim de nos tornarmos doçura para tantos outros que têm necessidade dela. (Texto inspirado em Anselm Grun, O livrinho dos anjos, p. 85).

Palavra de Deus: “Que a vossa doçura seja notória a todos os homens. O Senhor está próximo.” Fil. 4, 5

Palavra de Maria Rivier: Desejo muito que tenhais a doçura e a humildade de coração de Jesus Cristo.” Carta de Maria Rivier Antes do Pentecostes de 1827

Sim, hoje, que sejamos cumuladas da bênção da doçura!

 

Ir. Claudette Casavant

 

 

 

27 de Janeiro de 2014

Que o Deus da cura esteja connosco. Que ele nos diga: Estamos bem como estamos; estamos inteiros e intactos. Se estivermos feridos, aprenderemos que as nossas feridas, também elas, podem ser transformadas para se tornaram fontes de vida e de bênção para nós e para outros. (Texto inspirado em Anselm Grun, O livrinho dos anjos, p. 84)

Palavra de Deus: “Os discípulos partiram, foram de aldeia em aldeia, anunciando a Boa Nova e realizando curas por toda a parte.” Luc 9, 6

Palavra de Maria Rivier: “A vontade de curar as minhas filhas, de as fazer trabalhar bem e longamente sobre a terra, me fará trabalhar com ardor na minha santidade, a fim de obter a cura da alma e do corpo quando elas tiverem necessidade. Há ocasiões em que desejo muito o dom dos milagres.” Carta de Maria Rivier, 28 de Junho 1813

Sim. Hoje, que sejamos cumuladas da bênção da cura!

 

Ir. Claudette Casavant